menu

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

O que é o esclarecimento?
Uma pergunta provocativa que denota uma preocupação do filósofo prussiano Immanuel Kant. Nascido em Königsberg (1724 – 1804) na Alemanha. Considerado por muitos estudiosos o principal filósofo da era moderna, a filosofia de kant é amplamente estudada por vários cenários acadêmicos, políticos, éticos e morais da atualidade.
Kant foi autor de livros clássicos que mudaram a história da ciência e da visão filosófica da época; Crítica da Razão PuraCrítica da Razão Prática, e a Metafísica dos Costumes, dentre outros são de inspiradora importância para o cenário epistemológico da filosofia.
Kant apresentou ao mundo uma nova, cuidadosa, e primorosa maneira  de conduzir o ato da reflexão trazendo uma renovada e vigorosa maneira de pensar.
“Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção de outro indivíduo. O homem é o próprio culpado dessa menoridade se a causa dela não se encontra na falta de entendimento, mas na falta de decisão e coragem de servir-se de si mesmo sem a direção de outrem. Tem coragem de fazer uso de teu próprio entendimento, tal é o lema do esclarecimento.” (KANT, 1783)
Immanuel Kant
Pensando por si mesmo.
Kant aponta para a preguiça e para o comodismo presente nos indivíduos daquela época. Questiona a conveniência que as pessoas tem em agirem sempre concatenados com senso comum. Kant chama essa forma consensual de MINORIDADE, protestando e estimulando que o modelo em questão seja abandonado pelo indivíduo. Assim sendo, Kant convida-os a emancipação do senso comum.
O conhecimento, forçadamente seguidor dos preceitos dogmáticos empreendidos pela igreja católica de outrora trouxe uma inquietude que, fora amadurecida e trabalhada durante séculos. O iluminismo foi à ruptura dos conhecimentos, ou seja,  os preceitos dogmáticos e a razão eram, declaradamente, antagônicos  no despertar do iluminismo no século XVIII.
“Se for feita então a pergunta: “vivemos agora em uma época esclarecida”?, a resposta será: “não, vivemos em uma época de esclarecimento. Falta ainda muito para que os homens, nas condições atuais, tomados em conjunto, estejam já numa situação, ou possam ser colocados nela, na qual em matéria religiosa sejam capazes de fazer uso seguro e bom de seu próprio entendimento sem serem dirigidos por outrem. Somente temos claros indícios de que agora lhes foi aberto o campo no qual podem lançar-se livremente a trabalhar e tornarem progressivamente menores os obstáculos ao esclarecimento geral ou à saída deles, homens, de sua menoridade, da qual são culpados .”(KANT)
Na visão kantiana, o iluminismo e o esclarecimento eram sinônimos. Portanto, fica-se uma pergunta firmada em um descuidado anacronismo.
Será que somos, de fato, esclarecidos?